domingo, 27 de novembro de 2016

AKROTÍRI, A CIDADE ENGOLIDA PELA LAVA VULCÂNICA EM SANTORINI!

Santorini é, de fato, a ilha grega mais bela. E tem sua existência geológica atrelada à origem vulcânica. E, dentre as inúmeras atrações locais ligadas ao vulcão, uma se destaca no quesito "sítio arqueológico": é Akrotíri, a cidade engolida pelas cinzas vulcânicas há 3.500 anos (17 séculos a.C) e que tem origem pré-histórica. 

O belíssimo e bem cuidado sítio arqueológico de Akrotíri, em Santorini.
A "cidade engolida" foi descoberta pelo professor Spyridon Marinátos (1901-1974), após escavações, no ano de 1967. O curioso é que Marinátos, segunda uma das versões, morreu justamente em acidente no próprio sítio arqueológico, no ano de 1974, após um colapso de uma parede sobre si (a outra é de que tenha morrido por derrame).



A sociedade que vivia em Akrotíri era considerada avançada para a época. A cidade tinha um sistema de drenagem bastante inteligente, prédios e construções bem feitas, o que demonstra uma prosperidade pouco vista naquela época anterior ao nascimento de Cristo.

Vale destacar os seguintes pontos em Akrotíri: a Casa das Três Senhoras, o Complexo Delta, Xeste 3 e Xeste 4.

A entrada do sítio arqueológico.




Passarelas permitem observar as ruínas arqueológicas de Akrotíri.


Além das escavações, outra descoberta importante em Akrotiri foram seus afrescos, sendo o mais conhecido "O Jovem Pescador" que, atualmente, encontra-se em exposição no consagrado "Museu Arqueológico de Atenas".  Além desse, outro que merece destaque é o que mostra dois rapazes em luta, chamado "Os Jovens Boxeadores", também exposto no Museu Arqueológico ateniense.

O Jovem Pescador.

Ao contrário do ocorrido em Pompeia, na Itália, que foi consumida pelo Vesúvio e teve muitas pessoas achadas com o corpo quase intacto, em Akrotíri não  foram encontrados corpos de pessoas ou mesmo animais, o que sugere que tenham escapado da fúria da natureza.

Achados arqueológicos de Akrotíri, além de exibidos no museu arqueológico ateniense, estão exibidos também no Museu Pré-Histórico de Thera.

Serviço

Akrotíri.

Horários

Aberto no inverno (de novembro a março, geralmente): terças aos domingos, de oito da manhã às três da tarde. Fechado às segundas.

No verão (abril a agosto), todos os dias, das oito da manhã às oito da noite.

Em setembro, todos os dias, das oito da manhã às sete da noite.

Ingressos

12 euros (inteiro); 6 (meia).

Existem ingressos "full tickets", válidos para vários museus, com preço bem melhor: 14 euros, para 4 dias - Archaelogical Sites and Museum in Thera ,Ancient Thera, Akrotiri, Archaeological Museum, Museum of Prehistoric Thera, Collection of Icons and Ecclesiastical Artefacts at Pyrgos.

Dias em que a entrada é gratuita: 6 de março (em memória de Melina Mercouri); 18 de abril (Dia dos Monumentos Internacionais); 18 de maio (dia dos museus internacionais); o último fim de semana de setembro anualmente (Dia da Herança Europeia); Feriados Nacionais; 28 de outubro; 25 de março; todo primeiro domingo de novembro até março.

AFEGANISTÃO

Bandeira do país 

A bela bandeira afegã.

Mapas do país

 
Mapa do Afeganistão, com a capital e várias cidades.



 
A localização do Afeganistão na Ásia. Fronteira com vários países. 


Dados do país

Continente: Ásia (Ásia Central). 

Capital: Cabul.

Cidades principais: Cabul, Herat, Qandahar, Mazer-e-Sharif.

Língua:  dari, pashtun (oficiais).

Religião: Islamismo (99,8%).

Moeda: Afegane.

População:  30,6 milhões (2013). 

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): Baixo. 171º (2015). 

Atrações turísticas principais:   Bamyian, Jam (Minarete), cidade de Herat, cidade de Balk (ex-Bactria), Band-e-Amir, Bagh-e-Babur. 


Band-e-Amir, no Afeganistão, já tentou, sem sucesso, ser reconhecida pela UNESCO.


Patrimônios Mundiais UNESCO:  Dois são os Patrimônios Mundiais.


Minarete e Vestígios Arqueológicos de Jam (2002). Patrimônio Cultural. O Minarete de Jam tem 65 metros de altura e foi construído no século XII. Localizado no distrito de Shahrak, província de Ghur.  Está listada pela UNESCO como patrimônio cultural em perigo.

Minarete de Jam, no Afeganistão. Por david adamec

 Paisagem Cultural e Vestígios Arqueológicos do Vale de Bamiyan (2003). Patrimônio Cultural.  Área que contém vários monastérios e santuários budistas, Bamiyan representa um desenvolvimento artístico e religioso entre os séculos I e XIII. O lugar ficou famoso no mundo pela destruição das duas maiores estátuas de Buda do mundo, pelos Talibãs, no ano de 2001.  As estátuas tinham a marca da escola de arte Gandhara. Está listada pela UNESCO como patrimônio cultural em perigo.

Bamyian. Nesse local estava um dos Budas Gigantes destruído pelos Talibãs.

Melhores meses para visitação: abril e outubro.

Dados geográficos/políticos/econômicos/sociais do país:

1.O Afeganistão é um histórico ponto de encontro entre etnias. Atualmente, quatro se destacam: pashtuns, tadjiques, hazarás e uzbeques.  A etnia pashtun responde por 42% da população; tadjiques são 27%; e hazárás e uzbeques são 9% cada.  Outras etnias são 13%.

2.  O país é uma república presidencialista, composta por 34 províncias. 

3. O poder legislativo do país é bicameral - a "Câmara dos Representantes" conta com 249 membros, ao passo que a "Casa dos Anciãos" tem 102. 

4. A independência do Reino Unido foi declarada em 8 de agosto de 1919, mas reconhecida só em 19 de agosto do mesmo ano.

5. Em 1979, a população do país era de pouco mais de 13 milhões de habitantes. Em 2013, superou a casa dos 31 milhões de habitantes. 

6. O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país é baixo. 

7. A etimologia do termo "Afeganistão" indica "lugar de afegãos". Isso porque "istão" é indicativo de lugar, enquanto "afegão" designa as pessoas pashtuns, que constituem a maioria étnica do país.

8. País extremamente pobre, o Afeganistão depende da agricultura em termos econômicos - a papoula, matéria-prima do ópio, é o principal produto. 

História do país:

1. As primeiras civilizações surgiram 2,5 mil anos a.C. 

2. A região onde está o Afeganistão integrou o Império Persa de Dario I, 500 a.C.  Um século mais tarde é ocupada por Alexandre, o Grande, da Macedônia. Alexandre funda a cidade de Alexandrópolis (hoje Qandahar) e difunde a cultura helenística. 

3. No século II a.C, povos de origem celta estabeleceram o "Império Kushana", responsável pela introdução do budismo e por sua entrada na China.

4. Depois de Cristo, a região é integrada ao Império Persa Sassânida, do século III ao século VII. 

5.  No século XII, inicia-se o domínio mongol, sob a batuta de Genghis Khan (1155-1227). O domínio se estendeu até o século XVI. 

6. Em 1747, o monarca Ahmad Shah Durrani unifica a região e funda dinastia que é posta sob a tutela inglesa entre 1880 e 1919.

7. Em 1919, é proclamada a independência do país. 

8. Em 1973, o ex-Primeiro Ministro Daud Khan, partidário da URSS, derruba o rei Mohammed Zahir Shah e proclama a república.

6.  Em 1978, Daud Khan é deposto por militares. Um regime comunista é instaurado, sob forte oposição de guerrilheiros islâmicos.

7.  Em 1979, tropas soviéticas invadem o Afeganistão, mas são derrotadas por combatentes islâmicos, os "mujahedins", armados e apoiados por EUA, Irã e Paquistão.

8. A URSS se retira em 1982 e o governo pró-Moscou renuncia em 1992. 

9. Entre a derrocada do regime comunista e a entrada do Talibã, um conselho de notáveis formado por líderes tribais, religiosos e anciãos instalam um governo islâmico moderado, mas o poder de fato fica com chefes militares regionais corruptos (os "senhores da guerra") e bandos armados.

7.  Em 1995, a milícia islâmica Talibã ganha poder no país, conquistando a capital, Cabul, em setembro de 1996. A partir do mesmo ano, os talibãs dão abrigo e proteção à rede terrorista AL Qaeda. Em agosto de 1998, a milícia já domina 90% do território do país. 

8.  A ONU anuncia, em 1999, sanções contra o país.

9. Em 2001, os EUA responsabilizam Bin Laden e a Al Qaeda pelos atentados terroristas em território americano (Nova Iorque e Washington).  O líder do Talibã, mulá Mohammed Omar, não extradita Bin Laden. Assim, em outubro de 2001, os EUA iniciam a "Guerra ao Terror" e, juntamente com o Reino Unido, iniciam o bombardeio no Afeganistão. 

10. O regime do Talibã é vencido em 2001, com a recuperação, pela Aliança do Norte, das cidades de Cabul e Mazar-e-Sharif.

ALBÂNIA

Bandeira do país

Bandeira albanesa.

Mapas do país 


Mapa da Albânia, com as principais cidades. 
A Albânia na Europa.

Dados do país

Continente:Europa Oriental.

Capital:Tirana. 


Tirana, a capital albanesa.

Prédios coloridos, a marca de Tirana.

Cidades principais:    Tirana (421.286); Durres (115.550); Vlore (79.948); Elbasan (79.810); Shkoder (74.876).

Língua: Albanês, falado por 99 por cento da população. O governo reconhece ainda línguas minoritárias, como o grego e o macedônio.

Religião: Islamismo (61, 9 %), Catolicismo Apostólico Romano (15, 4%) e Ortodoxos (15%). Ateus e agnósticos são 6, 3%.

Moeda:Lek.

População: 3.038.594(julho/2016).

Ìndice de Desenvolvimento Humano (IDH): Alto. 85º no mundo.  

Atrações turísticas principais: Berat; Gjirokastra; Tirana; Durres (e seu anfiteatro);Região de Ohrid; Cidade Antiga de Apollonia; Túmulos Reais de Selca e Poshtme. 


Anfiteatro de Durres.

Patrimônios Mundiais UNESCO: Dois - Butrint e Centros Históricos de Berat e Gjirokastra.

Butrint (1992). Patrimônio Cultural.  Butrint já foi cidade grega, colônia romana e bispado.  Teve também um período de prosperidade na era bizantina, foi ocupada por venezianos e abandonada na Idade Média. As ruínas são uma síntese de todos esses períodos.


Teatro de Butrint. By Geoff Wong , CC BY 2.0, Wikimedia Commons.


Butrint, By Photo: Marcin Konsek,  Wikimedia Commons, CC BY-SA 4.0.


Batistério de Butrint. By Valerie M,  CC BY 2.0, Wikimedia Commons.

Centros Históricos de Berat e Gjirokastra (2005). Patrimônios culturais. 

Berat e Gjirokastra são exemplos de arquitetura otomona.

Berat, a cidade mais antiga da Albânia, localizada no centro da Albânia, testemunhou a coexistência de diversas religiões e comunidades culturais. A cidade conta com um castelo (chamado "Kala"), inúmeras igrejas bizantinas e mesquitas dos tempos do Império Otomano (que iniciou seu domínio na cidade em 1417).

Berat, por InaMyrtollari , CC BY-SA 4.0, Wikimedia Commons.

Gjirokastra, por sua vez, está localizada no sul da Albânia, junto ao rio Drinos. O destaque vai para as casas de dois andares, típicas do século XVII.  A cidade tem ainda um bazar, uma mesquita e duas igrejas do século XVIII. 

Gjirokastra, Albânia. Por Llukman Ibrahimi , CC BY-SA 4.0, Wikimedia Commons


As ruas de pedra de Gjirokastra.  Por Alessandro Giangiulio, CC BY 2.0, Wikimedia Commons

Dados geográficos/políticos/econômicos/sociais do país:

1. O país, embora seja um dos mais pobres da Europa, tem um índice de desenvolvimento humano (IDH) considerado alto, o 85º do mundo em 2015.

2. A etnia albanesa está espalhada por muitos países dos Balcãs. Além de ser 95% da população na própria Albânia, há 93% de albaneses na população do Kosovo e 25% na população da Macedônia.  Há, ainda, albaneses na Grécia, na Sérvia e em Montenegro.

3. Desde 1878 existe um projeto político para a formação do Estado chamado "Grande Albânia". Ele seria formado por Albânia, Kosovo e partes da Macedônia, Grécia, Sérvia e Montenegro. A OTAN é contrária à ideia, já que isso poderia tornar a região ainda mais instável.

4. A Albânia é uma república parlamentarista, constituída por 12 prefeituras, 36 distritos e 65 municipalidades.

História do país:   

1. A Albânia atual corresponde à antiga Ilíria, região ocupada por povos de origem indo-europeia a partir de X a.C. 

2. Em IV a.C, foi conquistada pelos macedônios. Posteriormente, pelos romanos em 168 a.C, até ser parte do Império Bizantino em 395. 

3. No século XV, a porção de terra correspondente à Albânia atual cai sob o poder dos turcos (Império Otomano), que converte a população ao islamismo, subjugando-a.

4. Em 1912, a Albânia declara sua independência do Império Otomano, após as "Guerras Balcânicas", ficando sob a proteção das grandes potências. O Kosovo, região de maioria albanesa, no entanto, fica sob o poder da Sérvia. 

5. Após breve período republicano, a Albânia transforma-se, em 1928, em monarquia, sob a tutela do rei Zog I. 

6. Em 1939 a Itália conquista a Albânia.

7. 1943: A Alemanha ocupa o país, durante a Segunda Guerra Mundial.

8. 1944: Os comunistas tomam o poder na Albânia, permanecendo até 1990. Sob a liderança de Enver Hoxha (1908-1985), foi instaurada uma ditadura, rompendo relações diplomáticas sucessivamente com diversos aliados: em 1948, com a Iugoslávia; em 1961, com a União Soviética; e, finalmente, rompe com a China em 1981.

9. Com a morte de Hoxha, em 1985, inicia-se a abertura política da Albânia, através do sucessor Ramiz Alia. Passou-se a admitir partidos oposicionistas ao governo e a liberdade de religião.

10.  Em 1992 foram realizadas as primeiras eleições multipartidárias no país, que conduziram Sali Berisha (1944-), do Partido Democrático da Albânia, ao poder.

11.  Em 1997, a falência de um esquema financeiro fraudulento (pirâmide), respaldado pelo Estado albanês, trouxe enormes prejuízos à população. Protestos em Tirana matam milhares de pessoas e as eleições são antecipadas, com vitória de Rexhep Mejdani, do Partido Socialista (ex-Partido Comunista).

12. Em 2009, o país se juntou à OTAN. 

13. Em junho de 2014, a Albânia colocou-se como candidata a juntar-se à União Europeia. 

domingo, 30 de outubro de 2016

PERU

Bandeira do país



O Peru libertou-se da dominação espanhola em 1819, com um exército liderado por José de San Martín (que foi o primeiro Presidente do país). Desde 1824 é uma república independente - a data de consolidação do novo status foi 9 de dezembro daquele ano. 

A bandeira atual foi adotada em 25 de fevereiro de 1825. Vermelho e branco foram as cores escolhidas pelo libertador San Martín e eram as preferidas dos incas também.  O símbolo de armas, no meio da bandeira, tem, curiosamente, uma vicunha, o animal nacional do Peru.

Mapa do País




O Peru na América do Sul. Em destaque.


Dados do País

Continente: América do Sul (parte ocidental). Entre Chile e Equador.

Capital: Lima.

Cidades principais:  Lima - região Metropolitana e Callao (9.904.727 - dados de 2015), Arequipa (969.284 - 2015), Trujillo (957.010 - 2015), Chiclayo (857.405 - 2015), Piura (764.968 - 2015), Iquitos (563.249 - 2015), Cusco (450.095 - 2015). Outras cidades importantes são Huamcayo, Chimbote, Tacna, Ica, Juliaca, Suliana, Cajamarca.

Línguas:  Espanhol, Qúechua e Aymará (oficiais).

Moeda: Novo Sol.

População:  30.741.062 (2016- CIA Worldfactbook)

Religiões:  Católica Romana (81%); Evangélicas (12%); Outras (4%); Ateus/Agnósticos (3%).

Atrações turísticas principais:  Cusco, Machu Picchu, Trilha Inca, Linhas de Nazca, Centro Histórico de Arequipa, Sítio Arqueológico Chavin, Zona Arqueológica de Chan Chan,  Parque Nacional Huascarán, Parque Nacional Manu, Parque Nacional Rio Abiseo, Cidade Sagrada de Caral-Supe, Centro Histórico de Lima, bairro de Miraflores em Lima, Lago Titicaca, Centro Histórico de Cajamarca, Centro Histórico de Trujillo, Complexo Arqueológico Kuelap, Complexo Astronômico Chankillo, Complexo Arqueológico de Pachacamac, Reserva Nacional de Paracas, Cañon del Coca, Pisac, Chinchero, Moray, Salinas de Maras, Ollantaytambo, Tambomachay, Qenko, Salapunco, Puca Pucara, Sacsayhuamán, Huancayo, Vale Mantaro, Ruínas Wari, Ayacucho, Grutas de Pikimachay, Quinua, Cordillera Blanca, Fontes Termais de Monterrey, Huaca del Soy e de La Luna, Complexo Arqueológico El Brujo, Huanchaco, Chiclayo, Tucume, Batan Grande, Museo Tumbas Reales de Sipan, Kuélap, Cataratas Gocta, Área dos Rios Tambopata e Madre de Dios . 

Patrimônios Mundiais UNESCO:  São vários, abaixo listados:

Santuário Histórico de Machu Picchu (1983) - Patrimônio Cultural e Natural. Situada em uma altitude de 2.430m, em uma floresta tropical, Machu Picchu é uma preciosidade da arquitetura inca. É a mais espetacular criação urbana dos incas. Leia mais aqui.

Machu Picchu.

Cidade de Cusco (1983) - Patrimônio Cultural. Situada nos Andes Peruanos, Cusco se desenvolveu, durante a gestão de Pachactuec (o imperador inca mais conhecido), como um complexo centro urbano e administrativo. Conquistada pelos espanhóis no século XVI, a antiga capital inca incorporou ao seu centro urbano muitas igrejas e palácios sobre as ruínas incas. Leia mais aqui.

Cusco.

Chavin de Huantár (Sítio Arqueológico) (1985) - Patrimônio Cultural. A civilização chavin desenvolveu-se entre 1.500 e 300 a.C (antes de Cristo) nos Andes peruanos. Localiza-se no Departamento de Ancash, província de Huari, distrito de Chavin.

Fortaleza em Chavin. Por kcorac - Trabalho próprio pelo carregador, CC BY-SA 4.0

Parque Nacional Huascarán (1985) - Patrimônio Natural. Huascarán é uma das mais espetaculares paisagens naturais do Peru. Situado na Cordilheira Branca (Cordillera Blanca), a mais alta cordilheira tropical do mundo. O Monte Huascarán tem 6.768 m de altitude.


Huascarán. Por Gregor Ludwig - Trabalho próprio pelo carregador, CC BY-SA 3.0

Zona Arqueológica de Chan Chan (1986) - Patrimônio Cultural. Chan Chan era a capital do reino Chimu, cultura pré-colombiana que teve lugar entre os séculos X e XV. Era a maior cidade dos tempos pré-colombianos. Está listada pela UNESCO como patrimônio cultural em perigo. 

Chan Chan. Por Håkan Svensson , CC BY-SA 3.0

Parque Nacional Manu (1987) - Patrimônio Natural. Parque com muitas espécies interessantes, como a lontra gigante, o tatu gigante e o jaguar.

Por Corey Spruit - Flickr: Manu National Park-69, CC BY 2.0
Centro Histórico de Lima (1988) - Patrimônio Cultural. Conhecido como a "Cidade dos Reis", o centro histórico de Lima foi fundado por Francisco Pizarro em 1535. Durante o domínio espanhol, Lima foi capital do Vice-Reinado do Peru e exibia posição proeminente na América. Leia mais aqui.

San Francisco fica no centro histórico de Lima. Foto: Carlos HB / EP

Parque Nacional Rio Abiseo (1990) - Patrimônio Cultural e Natural. Localizada no Departamento de San Martin (província Mariscal Caceres e distrito de Huicungo), o parque foi criado em 1983 para a proteção da flora e fauna dos andes. O macaco cujo nome científico é Oreonax Flavicauda só tem espécies por lá. Foram encontrados na região 36 sítios arqueológicos de sociedades pré-incas.

 
Catarata del Breo, PN Rio Abiseo, Peru. De Joss.alberto, CC BY-SA 3.0,

Linhas e Geoglifos de Nasca e Palpa (1994) - Patrimônio Cultural. A região das linhas de Nazca cobre 450 km², estando localizada a 400 km de Lima. Os desenhos das linhas foram feitos num raio de 1000 anos - entre 500 a. C e 500 d.C. Ainda hoje constituem um mistério da ciência, embora cientistas acreditam que a civilização Nazca tenha sido a responsável pelos desenhos (não os Ets). Há vários tipos de desenho: macaco (mono), aranha, entre outros.

Macaco (mono), linhas de Nazca. CC BY-SA 2.5 es

Centro Histórico da Cidade de Arequipa (2000) - Patrimônio Cultural. A cidade de Arequipa tem muitas influências, o que acaba refletindo em sua arquitetura. A cor branca deriva da rocha vulcânica denominada "sillar".

Por Ivan Mlinaric CC BY 2.0

Cidade Sagrada de Caral-Supe (2009) - Patrimônio Cultural.  Civilização mais antiga do Peru, Caral-Supe tem cerca de 7.000 anos de existência.

Pirâmide em Caral Supe. Por I, Xauxa, CC BY 2.5

Sistema de Estrada Andina Qhapaq Nan (2014) - Patrimônio Cultural. Trata-se de uma extensa rede de estradas incas, construídas por séculos e baseadas em infraestrutura pré-inca também. Liga lugares extremos, como picos com mais de 6.000 metros de altura e o litoral. Perpassa vales fertéis, florestas tropicais, desertos. Foram selecionados 6.000 kms pela UNESCO, considerados os mais representativos em termos sociais, culturais e arquitetônicos.

Qhapac Nan, sistema andino, Peru. Por Laurent granier . CC BY-SA 3.0

Melhor Época para visitação:  Nos andes (inclui Machu Picchu), de maio a setembro; na costa, junho a agosto.

Dados geográficos/políticos/econômicos/sociais do país:

 1. A República do Peru (República del Perú)  é um Estado Andino, situado na parte centro-ocidental da América do Sul. 

2. O país tem extensão de 1.285.216 km², o que faz dele o terceiro maior da América do Sul, o sexto maior do continente americano e o 19º maior do mundo. 

3. A forma de governo é república democrática constitucional, com um sistema multipartidário.  O presidente é eleito para um período de 5 anos e nomeia o Gabinete do Primeiro-Ministro. Não há reeleição.

4. O voto no Peru é obrigatório até os 70 anos de idade.

5. O peru tem a seguinte divisão política: 24 departamentos e a prvíncia constitucional chamada El Callao.  Cada departamento tem suas provìncias. O total de províncias no país é 195. 

6. As províncias são dividas em distritos. O Peru conta hoje com 1.845 distritos (equivalente aos municípios brasileiros).

7. A data de independência é 28 de julho de 1821.

8. A moeda do país é o Novo Sol, dividida em 100 céntimos. Nos estabelecimentos turísticos, aceitam-se euros e dólares.  

9. O Peru tem seu território dividido entre a costa (onde estão as maiores cidades, 52,6% da população), a serra (28% da população) e a selva (9,4 % da população).  

10. Em 1532, o Peru tinha 14 milhões de habitantes (população estimada).  Em 1548, a população, de acordo com o primeiro censo da colônia, era de 8.285.000 habitantes. Em 1570, a população baixou para 2.800.000 e chegou, em 1791-1795, a pouco mais de um milhão de habitantes. A partir de 1.876 a população voltou a crescer até se chegar à população de quase 33 milhões de habitantes projetada para 2.020.

11. O Peru é um dos países com maior diversidade linguística das Américas. São 43 línguas amazônicas e andinas, pertencentes a 19 famílias linguísticas. O castelhano é o idioma oficial.

12. A esperança de vida no país hoje é de 77, 76 anos para as mulheres e 72,50 anos para os homens. 

13. A educação básica no país é obrigatória e gratuita nas escolas públicas, nos níveis iniciais, primário e secundário. Na universidade, o mínimo é de 5 anos. 

14. O índice de analfabetismo no país é baixo (94,3 % dos peruanos maiores de 15 anos sabem ler).

15. A religião predominante é a católica apostólica romana, mas com uma característica especial, que é o sincretismo com a religião andina.

16. O Peru tem cerca de três mil festas por ano, entre religiosas e pagãs.

17. O Peru exporta muitos produtos. Destacam-se: farinha de peixe, óleo de peixe, algodão, açúcar, café, cobre, estanho, ferro, ouro, prata, chumbo, zinco, molibdênio, petróleo e derivados.

18. Países que mais enviam turistas ao Peru: Estados Unidos, França, Inglaterra, Argentina, Brasil, Austrália, Canadá, Alemanha, Espanha e Japão. 

19. O Peru está inteiramente localizado na zona tropical (ou seja, deveria ser quente, chuvoso e úmido). No entanto, seu clima varia muito, por conta de fatores como latitude, altitude, corrente de Humboldt e a corrente do El Niño (ou equatorial). 

20. O ponto mais alto do Peru é o Huascarán, que fica na Cordilheira Blanca, pico com 6.768 metros de altitude.  Outras montanhas altas do Peru: Yerupajá (6.632 m, na Cordilheira Huayhuash); Coropuna (6.425 m, na Cordilheira Ampato); Chopicalqui (6.400 m, na Cordilheira Blanca); Huautsan (6.395 m, na Cordilheira Blanca); Ausangate (6.384 m, na Cordilheira Vilcanota); e Tunsho (6.369 m, na Cordilheira Blanca). 

21. O Peru conta com 713 km do Rio Amazonas (a maior parte do rio está no Brasil).  O maior rio do Peru, em extensão, é o Ucayali, com 1.771 km. Depois vem o Marañon, com 1.414 km e o Putumayo, com 1.380 km.

22.  O lago Titicaca, que tem um pedaço na Bolívia também, é o maior lago do Peru, com 4.996 km². A extensão total desse lago, considerando os dois países, é de 8.562 km², bem inferior aos maiores lagos dos outros continentes - o Victoria, na África, tem 68.422 km²; o Superior, na América do Norte, tem 82.100 km² e o Mar Cáspio tem 371.000 km².

23. Gastronomia peruana (pratos típicos): Ceviche de peixe; rocoto relleno; juane de pollo;   Cuy Chactado (porquinho da índia); sopa de quinua; crema de zapallo; espagueti saltado; Chicharrón; Picarones; Mazamorra Morada y Arroz con Leche; Pollo à la brasa.

24. Seis espécies são domesticadas pelos homens andinos: llama, alpaca, cuy (porquinho da índia), pato crioulo, cachorro peruano e cochinilla. 

25. O Peru está exposto a desastres naturais, sendo os mais relevantes deles os terremotos (sismos).  Isto se deve ao choque entre as placas tectônicas de Nazca e da América do Sul. Outro fenômeno que afeta o país são os huaycos (Lloqllas), grande quantidade de água que desce da montanha e que tem alto poder destrutivo. 

História do país:

 1. O Peru teve sua ocupação inicial entre 20 mil e 40 mil anos atrás. Duas teorias para a chegada dos primeiros habitantes: a primeira, a de que chegaram pelo Estreito de Bering (da Ásia para a América do Norte); a segunda, pelos oceanos Pacífico e Atlântico. 

2.  A ordem das civilizações do Peru (da mais antiga para a mais recente): Caral, Chavin, Paracas, Mochica, Nazca, Wari, Chimu-Lambayeque, Inca. 

3Em 1532, o espanhol Francisco Pizarro destrói a cidade de Cusco.  Três anos depois, em 1535 funda a "Ciudad de Los Reyes", atual Lima. 

4. Em 1544, a colônia espanhola transforma-se no "Vice-Reinado do Peru". Era rica em ouro, prata e mercúrio.

5. Em 1820, o argentino José de San Martín inicia a luta contra os espanhóis. A derrota espanhola, no entanto, veio somente em 1824, pelas tropas de Antonio José Sucre, o que assegurou a independência do país. Detalhe: a declaração da independência havia sido feita em 1821. 

6. Em 1828, foi promulgada a Constituição Liberal, na qual os negros foram libertados da escravidão e os indígenas do pagamento de tributos. 

7. A Guerra do Pacífico (1879-1884) fez com que o Peru perdesse para o Chile duas jazidas de nitrato. 

8.  Em 1924 Haya de La Torre funda a nacionalista Aliança Popular Revolucionária Americana (Apra). 

9. Em 1968, o presidente Fernando Belaúnde Terry é deposto pelo General Juan Velasco Alvarado. Alvarado, um nacionalista, expropria empresas petrolíferas americanas.

10. 1975: Alvarado é deposto pelo general Morales Bermudez, que devolve o poder aos civis em 1979.

11. 1980: Reeleição de Belaúnde e início das atividades do grupo terrorista Sendero Luminoso em Ayacucho.

12. Em 1985, Alan Garcia chega à presidência, decreta a moratória da dívida externa e tenta estatizar o sistema bancário, o que leva à formação de uma forte oposição, liderada pelo escritor Mário Vargas Llosa.

13. Em 1990, Alberto Fujimori derrota Vargas Llosa. Em 1992, Fujimori fecha o Congresso e instala a ditadura, no episódio conhecido como "Autogolpe".  A era Fujimori contou ainda com reeleição, terminando apenas em 2000, com a renúncia no Japão.  Em 2005, Fujimori foi preso no Chile; extraditado em 2007, encontra-se preso até hoje.

14. O governo de transição, entre 2000 e 2001, ficou a cargo de Valentin Paniagua.

15. Após, foi eleito Alejandro Toledo, que governou entre 2001 e 2006.

16. Alan Garcia volta a vencer as eleições presidenciais em 2006.

17. Em 2009 entra em vigor acordo de livre comércio entre Peru e Estados Unidos. 

18. Após Alan Garcia, foram eleitos presidentes Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Paulo  Kuczynski (2016-).

sábado, 15 de outubro de 2016

MYKONOS, A ILHA DAS BALADAS!

A Grécia tem mais de 6.000 ilhas. Algumas encantam pelas exuberantes praias (Creta, Naxos, Cós, Ikaria, Lefkada); outras tantas, pela natureza (Santorini, Lesbos, Paxi, Nísiros, Skyros); outras, pelo legado cultural (Rodes, Pátmos, Delos). Mykonos, a "ilha-balada", enquadra-se nas últimas - um caldeirão cultural, verdadeiro "mix" de países, com pessoas de muitas nacionalidades em busca de muita diversão. 

Ao fundo, a Pequena Veneza. Mykonos, Grécia.

Mykonos é uma das Ilhas Cíclades, conjunto de 56 ilhas, 24 delas habitadas, localizadas no sul do Mar Egeu. O nome "Cíclades" vem de "Kyklos", que significa círculo em grego. São designadas assim por estarem em torno da ilha sagrada de Delos. Mykonos é uma ilha árida, com muitas aldeias e uma vila urbana mais concentrada divida em porto e vila superior (que tem o nome de "Chora"). 

As ilhas cíclades. Mykonos em destaque.  CC BY- SA 3.0

Mykonos rivaliza com Ibiza. Isso é facilmente verificável até mesmo nos suveníres vendidos na sua principal cidade - alguns bonés vem com inscrição do tipo "Mykonos f... Ibiza". O palavrão não mencionado dá ideia da rivalidade. O fato é que a ilha tornou-se também uma meca para a turma LBGT, que tem ali seu ponto de encontro mundial.  Nesse quesito, parece mesmo insuperável.

Falando mais um pouco da ilha, observamos também um DNA italiano por lá. Além da "Little Venice", "Pequena Veneza" em português, há muitos restaurantes italianos no local. A "Pequena Veneza" faz parte da região mais turística da ilha e tem uma razão de ser: Mykonos foi dominada por Veneza a partir de 1207, o que fez com que os ilhéus formassem a "Comunidade de Moradores de Mykonos" a partir de 1615 e o desenvolvimento começasse. O fato é que a "Little Venice" lembra muita a sua correlata italiana, com o mar batendo à porta de construções...


A Pequena Veneza em Mykonos, que lembra muito a Veneza original.
Acontecimento também marcante na cidade foi a batalha entre gregos e turcos (vencida pelos helênicos) em Mykonos, na Guerra de Independência de 1821. A revolucionária responsável pela importante vitória foi Mantó Mavrogénous (1786-1848), que tem um busto em sua homenagem perto da porto, na região conhecida como Platéia Mavrogénous. 

A cidade de Mykonos (ou "Chora", designativo imperfeito, já que serve apenas para a parte alta da cidade, mas que hoje é usado como sinônimo da maior aglomeração urbana da ilha) é a "capital" da ilha e uma das preciosidades arquitetônicas e culturais da Grécia. Suas ruas branquinhas, emolduradas por construções com pequenas escadas, , fazem o charme local. É uma das cidades mais belas das ilhas Cíclades.



 
 Por outro lado, os moinhos de vento, hoje não utilizados, são símbolos marcantes da ilha. 







O monumento mais importante, e famoso, de Mykonos, é a Igreja de Paraportiani, no Kástro (parte mais antiga da cidade). Construída nos séculos XV, XVI e XVII, a igreja é símbolo de muitos cartões-postais locais. 


Paraportiani.
Outras atrações da cidade de Mykonos (Chora):  Museu Arqueológico (no porto, de terça a domingo, das oito e meia às quinze horas);  Museu Folclórico (no porto, de segunda a sábado, das dezesseis e trinta às vinte e trinta, abril a outubro);  Museu Marítimo do Mar Egeu (Enóplon Dynameon, diariamente, das dez e meia às treze e das dezoito e trinta às vinte e uma horas); Casa de Léna Scrivánou (Enóplon Dynameon, abril a outubro, diariamente - moradora local, com belos trabalhos de bordado); Galeria de Arte Municipal (Matogiánni, diariamente, de junho a outubro).

No que diz respeito às praias locais, uma parece almodar-se perfeitamente a todos os tipos de pessoas: Platys Gialós.  Isso não quer dizer que as outras não sejam boas. Quer dizer apenas que, nas outras, a exemplo de Parágka,  Paradise e Super Paradise, há nudismo, o que pode não agradar todas as pessoas. Eliá foi também praia indicada para pessoas conservadoras, mas há guias que relatam nudismo por lá também. Estivemos em Eliá e não vimos.  Nas praias de Mykonos, especialmente nas mais concorridas (Paradise/Super Paradise) ocorrem, com frequência, festas e raves que rompem a madrugada. 


Platys Giálos, em Mykonos. Foto: Carlos HB / EP



Eliá Beach em Mykonos.

Das vilas da ilha de Mykonos, merece destaque Áno Méra, a 7.5 km de Chora. Nela encontra-se o mosteiro "Panagia  Tourliani", do século XVI, com uma torre de mármore.

Monastério Panagia Tourliani. Por Bernard Gagnon  CC BY-SA 3.0

Outro símbolo de Mykonos, mas que não conseguimos ver (ou não tivemos a sorte de estar junto a ele), é o pelicano Pétros.

Petrós. By patano, CC BY-SA 3.0

A circulação em Mykonos é feita de quatro maneiras: carros, motos, quadriciclos e ônibus da ilha. Os ônibus tem um quadro de horários e saídas do porto e de uma minirodoviária no centro que se chama "Fabrika". Os ônibus costumam ficar lotados e são parecidos com os transportes intermunicipais do Brasil. Os horários são restritos e pode haver alguma dificuldade em períodos de alta estação.

Um mapa ajudará a entender melhor a ilha:


By User: Bgabel at wikivoyage shared, CC BY-SA 3.0
Passeio imperdível a partir de Mykonos, Delos é a ilha sagrada das cíclades, local onde, segundo a mitologia, a deusa Leto deu à luz Artémis e Apolo.. Essa ilha terá um post especial aqui no blog.

Para se chegar até a ilha de Mykonos, há duas opções: por avião (Mykonos conta com um aeroporto internacional) ou por barco (existem os barcos rápidos- 3 horas a partir de Atenas/Pireus e os lentos - 5 horas a partir de Atenas/Pireus). 

Vale aqui fazer um adendo acerca das melhores épocas para visitação. Primeiro, é bom que se diga que de novembro a abril há muita chuva e poucos lugares abertos; fecham-se restaurantes e hotéis.  Maio/junho e setembro/outubro tendem a ser os melhores meses, pois há tempo bom e menos turistas. Julho e Agosto são os meses de alta temporada, com muitos turistas, principalmente europeus.

Enfim, Mykonos, uma ilha que certamente agradará a gregos, troianos e turistas.