domingo, 15 de janeiro de 2017

A FABULOSA ACRÓPOLE DE ATENAS!

Atenas, a capital da Grécia, tem milênios de história. Berço da civilização europeia, Atenas já era ocupada 5 mil anos antes de Cristo e ali estiveram presentes vozes e pensamentos filosóficos ilustres, como Sócrates (o fundador da filosofia ocidental), Platão (autor de "A República", "Apologia de Sócrates", "O Banquete", entre outras) e Aristóteles (autor de "Ética a Nicômaco", "Política", entre outras).


A Acrópole (acro, alto e polis, cidade, então "cidade alta") é literalmente o "ponto alto" de qualquer visita à capital da Grécia. Nela se destacam o Pártenon, o Teatro de Dionísio, o Templo de Atena Nike, o Teatro de Herodes Ático e o Pórtico das Cariátides.

Mas vamos aos monumentos e pontos principais da visita.

O Pártenon, templo dedicado à deusa Atena (deusa da civilização, das artes, da sabedoria, da justiça e da habilidade) situado na Acrópole, tem 2.500 anos de existência. Construído por Péricles, o monumento representa a exaltação da grandiosidade cultural e política grega. O nome "Partenon" quer dizer "morada da virgem" e foi dedicado à deusa Atenas Partenos, que simboliza o poder e o prestígio da cidade.  Tinha dois objetivos - ser a morada da estátua de Atenas, encomendada por Péricles e servir também como tesouro público. A sua construção terminou precisamente em 438 a.C, com a finalidade de ser sede do Grande Festival Panatenaico de 435 a.C.



Em minha modesta opinião, o segundo local mais interessante da Acrópole é o Teatro de Herodes Ático. Aliás, o teatro tem origem na Grécia: diferentemente do anfiteatro romano, o teatro grego tem o palco e a sua frente o público; o anfiteatro é circular. O Odeon de Herodes Ático foi construído em 161 a.C, pelo romano Herodes Atico,  escavado entre 1857 e 1858, sendo restaurado entre os anos de 1950 e 1961, hoje servindo para concertos ao ar livre, principalmente no Festival de Atenas. Soberbo!

Teatro de Herodes Ático ou Odeon de Herodes Atico.

Outro teatro também importante no sítio da Acrópole é o Teatro de Dionísio. Foi construído por Licurgo entre 333 e 330 a.C. Mas as ruínas não são tão imponentes quanto o outro já citado.

Teatro de Dionísio. Por Diggy Benesou de nl, CC BY-SA 3.0,  wikimedia commons.
O Pórtico das Cariátides, que faz parte do Erecteion (santuário, parte mais sagrada da Acrópole, onde Atena criou a oliveira e Poseidon fincou seu tridente no chão), por sua vez, está  bem preservado. Nele, se observa as Cariátides, figuras femininas esculpidas que servem de suporte arquitetônico, substituindo pilares. Em grego, o nome "Cariátides" significa "moças de Karyai" (Karyai era uma antiga cidade do Peloponeso, que tinha um templo em homenagem à Deusa Artemis, no qual moças dançavam em círculos celebrando a deusa).


O Erecteion, com o Pórtico das Cariátides ao lado.

As Cariátides. CC BY-SA 3.0
O Templo de Atena Nike é também uma preciosidade. Construído em 425 a.C, é feito de mármore pentélico, como a maior parte das estruturas da Cidade Alta (o nome do mármore faz referência ao Monte Pentélico, localizado a nordeste de Atenas). O templo abrigava uma estátua de Nike, a deusa da vitória, figura mitológica que está presente nas representações da deusa Atena, mais precisamente na mão direita desta (uma deusa segura a outra). Outras curiosidades: Nike tem sua representação nas medalhas olímpicas, além de ser também uma famosa marca de produtos esportivos. 

Tempo de Atenas Nike .Por Dimboukas, CC BY-SA 3.0, wikimedia commons
A visita pode ser um pouco cansativa, por várias razões: muita subida, muitos turistas (quanto mais cedo visitar melhor) e muitas pedras escorregadias (principalmente as de cor vermelha). Mas tudo vale a pena quando a alma não é pequena, já dizia o grande Fernando Pessoa...

A Acrópole de Atenas, sítio arqueológico dos mais importantes do mundo, foi inscrita, merecidamente, como Patrimônio Mundial Cultural da UNESCO em 1987.

Serviço

Acrópole de Atenas

Aberta diariamente de 8 às 17 horas. Última entrada às 16:30 horas.

Fechada nos seguintes dias: 1 de janeiro, 25 de março, 1 de maio, domingo de Páscoa, 25 de dezembro e 26 de dezembro.

Dias de entrada grátis: 6 de março (memória de Melina Mercouri); 18 de abril (Dia dos Monumentos Internacionais); 18 de maio (dia internacional dos museus); o último fim de semana de setembro (dias da herança europeia); 28 de outubro; todo primeiro domingo de 1 de novembro a 31 de março. 

Metrô: Estações "Acropolis" e "Monastiriki" (nessa, combina-se o passeio Monastiriki-Ágora Antiga-Acrópole). 

Ingressos: 20 euros (inteira). Há ingresso de 30 euros, válido por 5 dias, que dá direito à vários sítios e atrações de Atenas, a saber, Acrópole, Ágora Antiga, Museu Arqueológico de Kerameikos, Lykeion, Biblioteca de Adriano, Ágora Romana de Atenas, Declive Norte e Sul da Acrópole, Olympieio.

sábado, 10 de dezembro de 2016

SANTORINI EM FATOS E IMAGENS!

Santorini (Thira ou Tera, na antiguidade), ilha cíclade localizada no Mar Egeu, é uma ilha grega bastante conhecida. Uma ilha onde as imagens absorvem o encanto das palavras.

Alguns fatos ajudam a entender a fama da ilha:

1. História: Colonizada pelos minóicos 3.000 a.C, ganhou a forma de lua crescente com a erupção vulcânica datada de 1.450 a.C. A civilização dórica, oito séculos antes de Cristo, a chamava de Thíra. No século XIII d.C, foi dominada pelos venezianos, que passaram a chamá-la de "Santorini", em homenagem a "Santa Irene" (Sant´Irini, em grego).  

2. A capital de Santorini é Firá (ou Thíra), fundada no século XVIII. Devastada por um terremoto em 1956, foi reconstruída, tendo as casas-cavernas de teto abaulado (as skaftá), construídas em penhascos, como sua característica mais marcante.

3. Oía, no norte da ilha, é a cidade mais bonita. Os gregos pronunciam "Ia". Do alto de seus penhascos, em restaurantes e em mirantes, é possível observar o pôr do sol, que é o mais marcante compromisso que um turista pode ter na ilha. Além disso, é um prazer passear por suas belas e atraentes ruelas, com muitos restaurantes e lojas.

4. A cidade dórica de Thíra Antiga é uma atração local, embora possa desagradar alguns turistas, devido à exposição ao sol constante e às subidas íngremes. Muito sol, muito pedregulho e a sensação de que o passeio não vale a pena, embora exista uma rica história por trás daquele local. As ruínas mostram restos de casas, basílicas, anfiteatro.

5. O principal balneário da ilha é Kamari. É possível avistar toda a região de Kamari a partir de Thíra Antiga, em uma visão panorâmica muito bonita. Nessa praia encontram-se bares, restaurantes. A praia, embora não seja bonita - a areia é negra, mistura de pedra e areia vulcânica negra - é bastante própria para banhos, sem correntezas e ondas. 

6. Períssa é outra praia conhecida, mas tem vocação para esportes aquáticos. Tem 8 km de extensão, com areias negras também. 

7. Akrotíri é uma das maiores atrações locais. Trata-se do mais interessante sítio arqueológico das cíclades. Leia mais aqui,

8. Passeio bastante conhecido leva às ilhas Queimadas (Palaiá Kaméni e Néa Kameni). Perto de Palaiá Kameni é possível tomar banho de lama quente em fonte e andar até o topo do cone vulcânico.

9. O sistema de transportes é muito bom, com muitos ônibus fazendo os trajetos principais: kamari-Firá; Firá - Oia. Mas pode ficar complicado na alta temporada local, principalmente nos meses de julho e agosto.

10. Uma lenda comumente associada à Santorini é a do reino perdido de Atlântida. Os afrescos coloridos de Tirá, que estão no Museu Pré-Histórico local, são comumente associados à Atlântida.

Em Oia (Ia), uma imagem símbolo de Santorini - a torre azul. 
Uma bela igreja ortodoxa em Oia (Ia), Santorini.
Praça de Oia.


Pessoas se aglomeram para ver o pôr do sol em Oia, Santorini.

Pôr do sol em Santorini.




Fira, a capital de Santorini, sobre um penhasco.

Assim são as ruelas típicas de Santorini.

Praia de Akrotiri, Santorini, Grécia. 


Placa oferece serviços de barco suspeitos na praia de Akrotíri, em Santorini.

Praia de Kamari, em Santorini. Areias negras dão o tom.

Vista de Kamari a partir de Thira Antiga.

Thira Antiga.


Thira Antiga.
Firá, Santorini.

Interior de uma igreja ortodoxa grega em Santorini.

Uma pitoresca livraria em Oia, Santorini.
Na terra dos ortodoxos, uma igreja católica em Fira. 

domingo, 27 de novembro de 2016

AKROTÍRI, A CIDADE ENGOLIDA PELA LAVA VULCÂNICA EM SANTORINI!

Santorini é, de fato, a ilha grega mais bela. E tem sua existência geológica atrelada à origem vulcânica. E, dentre as inúmeras atrações locais ligadas ao vulcão, uma se destaca no quesito "sítio arqueológico": é Akrotíri, a cidade engolida pelas cinzas vulcânicas há 3.500 anos (17 séculos a.C) e que tem origem pré-histórica. 

O belíssimo e bem cuidado sítio arqueológico de Akrotíri, em Santorini.
A "cidade engolida" foi descoberta pelo professor Spyridon Marinátos (1901-1974), após escavações, no ano de 1967. O curioso é que Marinátos, segunda uma das versões, morreu justamente em acidente no próprio sítio arqueológico, no ano de 1974, após um colapso de uma parede sobre si (a outra é de que tenha morrido por derrame).



A sociedade que vivia em Akrotíri era considerada avançada para a época. A cidade tinha um sistema de drenagem bastante inteligente, prédios e construções bem feitas, o que demonstra uma prosperidade pouco vista naquela época anterior ao nascimento de Cristo.

Vale destacar os seguintes pontos em Akrotíri: a Casa das Três Senhoras, o Complexo Delta, Xeste 3 e Xeste 4.

A entrada do sítio arqueológico.




Passarelas permitem observar as ruínas arqueológicas de Akrotíri.


Além das escavações, outra descoberta importante em Akrotiri foram seus afrescos, sendo o mais conhecido "O Jovem Pescador" que, atualmente, encontra-se em exposição no consagrado "Museu Arqueológico de Atenas".  Além desse, outro que merece destaque é o que mostra dois rapazes em luta, chamado "Os Jovens Boxeadores", também exposto no Museu Arqueológico ateniense.

O Jovem Pescador.

Ao contrário do ocorrido em Pompeia, na Itália, que foi consumida pelo Vesúvio e teve muitas pessoas achadas com o corpo quase intacto, em Akrotíri não  foram encontrados corpos de pessoas ou mesmo animais, o que sugere que tenham escapado da fúria da natureza.

Achados arqueológicos de Akrotíri, além de exibidos no museu arqueológico ateniense, estão exibidos também no Museu Pré-Histórico de Thera.

Serviço

Akrotíri.

Horários

Aberto no inverno (de novembro a março, geralmente): terças aos domingos, de oito da manhã às três da tarde. Fechado às segundas.

No verão (abril a agosto), todos os dias, das oito da manhã às oito da noite.

Em setembro, todos os dias, das oito da manhã às sete da noite.

Ingressos

12 euros (inteiro); 6 (meia).

Existem ingressos "full tickets", válidos para vários museus, com preço bem melhor: 14 euros, para 4 dias - Archaelogical Sites and Museum in Thera ,Ancient Thera, Akrotiri, Archaeological Museum, Museum of Prehistoric Thera, Collection of Icons and Ecclesiastical Artefacts at Pyrgos.

Dias em que a entrada é gratuita: 6 de março (em memória de Melina Mercouri); 18 de abril (Dia dos Monumentos Internacionais); 18 de maio (dia dos museus internacionais); o último fim de semana de setembro anualmente (Dia da Herança Europeia); Feriados Nacionais; 28 de outubro; 25 de março; todo primeiro domingo de novembro até março.

AFEGANISTÃO

Bandeira do país 

A bela bandeira afegã.

Mapas do país

 
Mapa do Afeganistão, com a capital e várias cidades.



 
A localização do Afeganistão na Ásia. Fronteira com vários países. 


Dados do país

Continente: Ásia (Ásia Central). 

Capital: Cabul.

Cidades principais: Cabul, Herat, Qandahar, Mazer-e-Sharif.

Língua:  dari, pashtun (oficiais).

Religião: Islamismo (99,8%).

Moeda: Afegane.

População:  30,6 milhões (2013). 

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): Baixo. 171º (2015). 

Atrações turísticas principais:   Bamyian, Jam (Minarete), cidade de Herat, cidade de Balk (ex-Bactria), Band-e-Amir, Bagh-e-Babur. 


Band-e-Amir, no Afeganistão, já tentou, sem sucesso, ser reconhecida pela UNESCO.


Patrimônios Mundiais UNESCO:  Dois são os Patrimônios Mundiais.


Minarete e Vestígios Arqueológicos de Jam (2002). Patrimônio Cultural. O Minarete de Jam tem 65 metros de altura e foi construído no século XII. Localizado no distrito de Shahrak, província de Ghur.  Está listada pela UNESCO como patrimônio cultural em perigo.

Minarete de Jam, no Afeganistão. Por david adamec

 Paisagem Cultural e Vestígios Arqueológicos do Vale de Bamiyan (2003). Patrimônio Cultural.  Área que contém vários monastérios e santuários budistas, Bamiyan representa um desenvolvimento artístico e religioso entre os séculos I e XIII. O lugar ficou famoso no mundo pela destruição das duas maiores estátuas de Buda do mundo, pelos Talibãs, no ano de 2001.  As estátuas tinham a marca da escola de arte Gandhara. Está listada pela UNESCO como patrimônio cultural em perigo.

Bamyian. Nesse local estava um dos Budas Gigantes destruído pelos Talibãs.

Melhores meses para visitação: abril e outubro.

Dados geográficos/políticos/econômicos/sociais do país:

1.O Afeganistão é um histórico ponto de encontro entre etnias. Atualmente, quatro se destacam: pashtuns, tadjiques, hazarás e uzbeques.  A etnia pashtun responde por 42% da população; tadjiques são 27%; e hazárás e uzbeques são 9% cada.  Outras etnias são 13%.

2.  O país é uma república presidencialista, composta por 34 províncias. 

3. O poder legislativo do país é bicameral - a "Câmara dos Representantes" conta com 249 membros, ao passo que a "Casa dos Anciãos" tem 102. 

4. A independência do país em relação ao Reino Unido foi declarada em 8 de agosto de 1919, mas reconhecida só em 19 de agosto do mesmo ano.

5. Em 1979, a população do país era de pouco mais de 13 milhões de habitantes. Em 2013, superou a casa dos 31 milhões de habitantes. 

6. O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país é baixo. 

7. A etimologia do termo "Afeganistão" indica "lugar de afegãos". Isso porque "istão" é indicativo de lugar, enquanto "afegão" designa as pessoas pashtuns, que constituem a maioria étnica do país.

8. País extremamente pobre, o Afeganistão depende da agricultura em termos econômicos - a papoula, matéria-prima do ópio, é o principal produto. 

História do país:

1. As primeiras civilizações surgiram 2,5 mil anos a.C. 

2. A região onde está o Afeganistão integrou o Império Persa de Dario I, 500 a.C.  Um século mais tarde é ocupada por Alexandre, o Grande, da Macedônia. Alexandre funda a cidade de Alexandrópolis (hoje Qandahar) e difunde a cultura helenística. 

3. No século II a.C, povos de origem celta estabeleceram o "Império Kushana", responsável pela introdução do budismo e por sua entrada na China.

4. Depois de Cristo, a região é integrada ao Império Persa Sassânida, do século III ao século VII. 

5.  No século XII, inicia-se o domínio mongol, sob a batuta de Genghis Khan (1155-1227). O domínio se estendeu até o século XVI. 

6. Em 1747, o monarca Ahmad Shah Durrani unifica a região e funda dinastia que é posta sob a tutela inglesa entre 1880 e 1919.

7. Em 1919, é proclamada a independência do país. 

8. Em 1973, o ex-Primeiro Ministro Daud Khan, partidário da URSS, derruba o rei Mohammed Zahir Shah e proclama a república.

6.  Em 1978, Daud Khan é deposto por militares. Um regime comunista é instaurado, sob forte oposição de guerrilheiros islâmicos.

7.  Em 1979, tropas soviéticas invadem o Afeganistão, mas são derrotadas por combatentes islâmicos, os "mujahedins", armados e apoiados por EUA, Irã e Paquistão.

8. A URSS se retira em 1982 e o governo pró-Moscou renuncia em 1992. 

9. Entre a derrocada do regime comunista e a entrada do Talibã, um conselho de notáveis formado por líderes tribais, religiosos e anciãos instalam um governo islâmico moderado, mas o poder de fato fica com chefes militares regionais corruptos (os "senhores da guerra") e bandos armados.

7.  Em 1995, a milícia islâmica Talibã ganha poder no país, conquistando a capital, Cabul, em setembro de 1996. A partir do mesmo ano, os talibãs dão abrigo e proteção à rede terrorista AL Qaeda. Em agosto de 1998, a milícia já domina 90% do território do país. 

8.  A ONU anuncia, em 1999, sanções contra o país.

9. Em 2001, os EUA responsabilizam Bin Laden e a Al Qaeda pelos atentados terroristas em território americano (Nova Iorque e Washington).  O líder do Talibã, mulá Mohammed Omar, não extradita Bin Laden. Assim, em outubro de 2001, os EUA iniciam a "Guerra ao Terror" e, juntamente com o Reino Unido, iniciam o bombardeio no Afeganistão. 

10. O regime do Talibã é vencido em 2001, com a recuperação, pela Aliança do Norte, das cidades de Cabul e Mazar-e-Sharif.

ALBÂNIA

Bandeira do país

Bandeira albanesa.

Mapas do país 


Mapa da Albânia, com as principais cidades. 
A Albânia na Europa.

Dados do país

Continente:Europa Oriental.

Capital:Tirana. 


Tirana, a capital albanesa.

Prédios coloridos, a marca de Tirana.

Cidades principais:    Tirana (421.286); Durres (115.550); Vlore (79.948); Elbasan (79.810); Shkoder (74.876).

Língua: Albanês, falado por 99 por cento da população. O governo reconhece ainda línguas minoritárias, como o grego e o macedônio.

Religião: Islamismo (61, 9 %), Catolicismo Apostólico Romano (15, 4%) e Ortodoxos (15%). Ateus e agnósticos são 6, 3%.

Moeda:Lek.

População: 3.038.594(julho/2016).

Ìndice de Desenvolvimento Humano (IDH): Alto. 85º no mundo.  

Atrações turísticas principais: Berat; Gjirokastra; Tirana; Durres (e seu anfiteatro);Região de Ohrid; Cidade Antiga de Apollonia; Túmulos Reais de Selca e Poshtme. 


Anfiteatro de Durres.

Patrimônios Mundiais UNESCO: Dois - Butrint e Centros Históricos de Berat e Gjirokastra.

Butrint (1992). Patrimônio Cultural.  Butrint já foi cidade grega, colônia romana e bispado.  Teve também um período de prosperidade na era bizantina, foi ocupada por venezianos e abandonada na Idade Média. As ruínas são uma síntese de todos esses períodos.


Teatro de Butrint. By Geoff Wong , CC BY 2.0, Wikimedia Commons.


Butrint, By Photo: Marcin Konsek,  Wikimedia Commons, CC BY-SA 4.0.


Batistério de Butrint. By Valerie M,  CC BY 2.0, Wikimedia Commons.

Centros Históricos de Berat e Gjirokastra (2005). Patrimônios culturais. 

Berat e Gjirokastra são exemplos de arquitetura otomona.

Berat, a cidade mais antiga da Albânia, localizada no centro da Albânia, testemunhou a coexistência de diversas religiões e comunidades culturais. A cidade conta com um castelo (chamado "Kala"), inúmeras igrejas bizantinas e mesquitas dos tempos do Império Otomano (que iniciou seu domínio na cidade em 1417).

Berat, por InaMyrtollari , CC BY-SA 4.0, Wikimedia Commons.

Gjirokastra, por sua vez, está localizada no sul da Albânia, junto ao rio Drinos. O destaque vai para as casas de dois andares, típicas do século XVII.  A cidade tem ainda um bazar, uma mesquita e duas igrejas do século XVIII. 

Gjirokastra, Albânia. Por Llukman Ibrahimi , CC BY-SA 4.0, Wikimedia Commons


As ruas de pedra de Gjirokastra.  Por Alessandro Giangiulio, CC BY 2.0, Wikimedia Commons

Dados geográficos/políticos/econômicos/sociais do país:

1. O país, embora seja um dos mais pobres da Europa, tem um índice de desenvolvimento humano (IDH) considerado alto, o 85º do mundo em 2015.

2. A etnia albanesa está espalhada por muitos países dos Balcãs. Além de ser 95% da população na própria Albânia, há 93% de albaneses na população do Kosovo e 25% na população da Macedônia.  Há, ainda, albaneses na Grécia, na Sérvia e em Montenegro.

3. Desde 1878 existe um projeto político para a formação do Estado chamado "Grande Albânia". Ele seria formado por Albânia, Kosovo e partes da Macedônia, Grécia, Sérvia e Montenegro. A OTAN é contrária à ideia, já que isso poderia tornar a região ainda mais instável.

4. A Albânia é uma república parlamentarista, constituída por 12 prefeituras, 36 distritos e 65 municipalidades.

História do país:   

1. A Albânia atual corresponde à antiga Ilíria, região ocupada por povos de origem indo-europeia a partir de X a.C. 

2. Em IV a.C, foi conquistada pelos macedônios. Posteriormente, pelos romanos em 168 a.C, até ser parte do Império Bizantino em 395. 

3. No século XV, a porção de terra correspondente à Albânia atual cai sob o poder dos turcos (Império Otomano), que converte a população ao islamismo, subjugando-a.

4. Em 1912, a Albânia declara sua independência do Império Otomano, após as "Guerras Balcânicas", ficando sob a proteção das grandes potências. O Kosovo, região de maioria albanesa, no entanto, fica sob o poder da Sérvia. 

5. Após breve período republicano, a Albânia transforma-se, em 1928, em monarquia, sob a tutela do rei Zog I. 

6. Em 1939 a Itália conquista a Albânia.

7. 1943: A Alemanha ocupa o país, durante a Segunda Guerra Mundial.

8. 1944: Os comunistas tomam o poder na Albânia, permanecendo até 1990. Sob a liderança de Enver Hoxha (1908-1985), foi instaurada uma ditadura, rompendo relações diplomáticas sucessivamente com diversos aliados: em 1948, com a Iugoslávia; em 1961, com a União Soviética; e, finalmente, rompe com a China em 1981.

9. Com a morte de Hoxha, em 1985, inicia-se a abertura política da Albânia, através do sucessor Ramiz Alia. Passou-se a admitir partidos oposicionistas ao governo e a liberdade de religião.

10.  Em 1992 foram realizadas as primeiras eleições multipartidárias no país, que conduziram Sali Berisha (1944-), do Partido Democrático da Albânia, ao poder.

11.  Em 1997, a falência de um esquema financeiro fraudulento (pirâmide), respaldado pelo Estado albanês, trouxe enormes prejuízos à população. Protestos em Tirana matam milhares de pessoas e as eleições são antecipadas, com vitória de Rexhep Mejdani, do Partido Socialista (ex-Partido Comunista).

12. Em 2009, o país se juntou à OTAN. 

13. Em junho de 2014, a Albânia colocou-se como candidata a juntar-se à União Europeia.